Notícias

Plásticos para PCR com maior agilidade e confiança no diagnóstico de Zika, Dengue e Chikungunya

A epidemia de Zika, assim como Dengue e Chikungunya tem alarmado o Brasil causando grande preocupação às autoridades, especialistas e população. Os casos se multiplicam, mas como as três doenças têm sintomas muito semelhantes, existe uma grande dificuldade no diagnóstico e diferenciação de cada uma. A identificação precisa é essencial para o paciente, evitando consequências mais graves, por isso os exames laboratoriais são tão importantes.

Os vírus da Zika, Dengue e Chikungunya são transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti através da picada do mosquito infectado. Além dessa característica em comum, os sintomas também são muito parecidos: febre, manchas pelo corpo, dores de cabeça, musculares, articulações e podem ainda ser facilmente confundidos com uma simples gripe. Mas pequenas diferenças existem e estão na intensidade com que acabam se apresentando.

 

Conheça as características e diferenças entre Zika, Dengue e Chikungunya

 

DENGUE

O Vírus Dengue é um vírus de RNA do gênero Flavivírus. Após um período de incubação de 2 a 7 dias, a infecção pela dengue torna-se assintomática na maioria dos casos, ou pode resultar em um amplo espectro de sintomas clínicos, desde uma síndrome gripal leve, como a febre em combinação com fortes dores de cabeça, dor atrás dos olhos, dores musculares e nas articulações, erupção e coceira na pele, pode haver perda de peso, náuseas e vômitos.

As formas mais graves da doença, são caracterizadas por leucopenia, trombocitopenia, aumento da fragilidade vascular e permeabilidade dos vasos sanguíneos (dengue hemorrágica) que podem ocasionar óbito.

 

CHIKUNGUNYA

O Vírus Chikungunya é um vírus de RNA do gênero Alphavírus, identificado na Tanzânia em 1953. Além do mosquito, também é possível a transmissão através da transfusão sanguínea. O período de incubação varia de 3 a 12 dias. O início é geralmente abrupto e a fase aguda é caracterizada pelas febres altas, fortes dores musculares e nas articulações e erupção cutânea.

Cerca de 15% dos pacientes podem desenvolver artrite crônica e está associada com febre, astenia (diminuição da força física), exacerbação de dor nas articulações e rigidez.

 

ZIKA

O Zika Vírus é um vírus de RNA do gênero Flavivírus. Provoca uma doença leve, por vezes assintomática, ou com sintomas parecidos com o da gripe conhecida como Febre Zika ou doença Zika, que desde 1950 possui sua ocorrência conhecida dentro de um estreito cinturão entre a África e Ásia. Em 2014, o vírus se espalhou para o leste através do Oceano Pacífico, em seguida para a Ilha de Páscoa e em 2015 para a América Central no Caribe e para a América do Sul, onde o surto de Zika Vírus atingiu níveis pandêmicos. Em maio de 2015, a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) emitiu um alerta sobre a primeira infecção pelo Zika Vírus confirmada no Brasil.

O período de incubação pode variar de 3 a 12 dias. A maioria das pessoas não apresentam sintomas, os 20% que adoecem apresentam febre, erupções cutâneas, dores  de cabeça, musculares, nas articulações e conjuntivite. Considerada uma infecção viral leve, os sintomas costumam ir embora sozinhos depois de 2 a 7 dias.

Apesar disso, os casos mais severos podem acometer o sistema nervoso central, sendo associada à síndrome de Guillian-Barré (caracterizada pela inflamação dos nervos e fraqueza muscular). Outra grande preocupação é a relação entre infecção pelo Zika na gravidez e os crescentes casos de malformações neurológicas como a microcefalia.

 

A PCR em Tempo Real no diagnóstico de Zika, Dengue e Chikungunya

Os sintomas da Zika, Dengue e Chikungunya são muito parecidos e ainda existem outras doenças clinicamente semelhantes, como a febre amarela. A única maneira de identificar por qual delas o paciente foi infectado é realizando um exame laboratorial. A PCR em Tempo Real (qPCR) é a técnica de referência para o diagnóstico dessas três doenças porque efetua a detecção na fase inicial da infecção, identificando a presença do material genético do vírus (RNA viral) na amostra de sangue do paciente com segurança e precisão, fornecendo resultados rapidamente.

>> Conheça a técnica de PCR, suas aplicações e princípios

O teste por PCR em tempo real deve ser feito entre o 1° até o 7° dia após a manifestação dos sintomas. Pois acredita-se que o período virêmico seja muito curto e a presença do vírus é identificada nessa fase, após esse período não é possível saber o paciente teve a doença , uma vez que não são encontrados vestígios do vírus.

Essa técnica é utilizada para se obter a amplificação do RNA viral, na qual apenas uma única molécula pode servir de molde para amplificação, produzindo milhares de cópias, sendo possível assim identificar o vírus com agilidade e eficiência.

 

Porque os materiais utilizados nesta técnica precisam ser ESPECIAIS?

A combinação de excelente sensibilidade e especificidade, baixo risco de contaminação, alto desempenho e velocidade, faz com que a tecnologia de PCR em tempo real (qPCR) seja a melhor alternativa de diagnóstico
Para obter resultados confiáveis, é necessário utilizar materiais e equipamentos diferenciados, com propriedades óticas específicas que não interfiram durante a reação.

 

Produtos para qPCR Kasvi