fbpx

Notícias

Quais são as principais contaminações na pipetagem e como evitá-las

A micropipeta é um instrumento de uso diário nos laboratórios, assim, prevenir a contaminação na pipetagem é fundamental para alcançar resultados confiáveis. Por isso, é necessário saber identificar os potenciais fatores de contaminação capazes de alterar a precisão e qualidade desses resultados.

O primeiro passo para evitar contaminação no ambiente laboratorial, é o uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPI) recomendado para cada tipo de rotina. Os mais utilizados são:

  • Jaleco
  • Luvas
  • Óculos de proteção
  • Máscara
  • Calçados de proteção

As bancadas de laboratórios são locais propícios para bactérias, isso pelo fato de vários produtos e objetos diferentes passarem ali por dia. Quando alguma sujeira fica encrustada na bancada, a chance da amostra manipulada ali ter a sua composição alterada na pipetagem é grande. Desse modo é importante manter uma limpeza regular nessas superfícies. Cada laboratório trabalha com amostras diferentes, então é importante que a limpeza do local seja de acordo com a rotina feita ali. Os produtos mais usados nas limpezas de bancadas de laboratório são água, sabão bactericida, álcool 70% e hipoclorito de sódio (alvejante).

Tipos de contaminação na pipetagem e como evitá-los

Suspensões de partículas sólidas ou líquidas em um gás ou aerossóis são formados em muitas atividades de laboratório, principalmente com o uso de pipetas de deslocamento de ar. E esses aerossóis são um dos principais fatores de contaminação na pipetagem. Por exemplo, eles podem ser transferidos para o interior da micropipeta quando se utiliza ponteiras sem filtro, ocasionando contaminação em amostras subsequentes. Confira a seguir as contaminações mais frequentes num laboratório:

Pipetagem: contaminação micropipeta – amostra

Resulta do uso de uma micropipeta contaminada ou ponteiras não certificadas. Dessa forma, a contaminação da amostra na pipetagem pode ser evitada com o uso de ponteiras estéreis, limpeza ou autoclavagem da micropipeta.

As ponteiras apresentam três categorias entre os graus de pureza:

  • sem certificação de pureza
  • certificado livre de contaminantes como DNase, RNase e endotoxinas
  • esterilizada livre de vida microbiana

A contaminação da micropipeta para amostra pode ser evitada seguindo algumas diretrizes:

  • Selecione uma ponteira com a classe de pureza relevante para sua aplicação
  • Utilizar ponteiras estéreis com filtro ou ponteiras de deslocamento positivo. Como alternativa, também é possível utilizar filtros em algumas marcas de micropipetas. Assim, os filtros previnem os aerossóis de alcançarem o corpo da micropipeta, sendo um fator potencial na contaminação de amostras subsequentes
  • Troque sempre as ponteiras após cada amostra
  • Autoclave ou limpe regularmente a pipeta e outros componentes que podem entrar em contato com a amostra

Pipetagem: contaminação amostra – micropipeta

Ocorre quando a amostra ou suas partículas de aerossol entram no corpo da micropipeta no momento da pipetagem. Por isso para minimizar este risco de contaminação, alguns passos devem ser seguidos:

  • Sempre segure a micropipeta na posição vertical durante o procedimento e armazene-a na posição vertical. Isso evita que líquidos escorram e contaminem o equipamento
  • Recomenda-se ejetar imediatamente a ponteira após o uso para impedir a entrada de aerossóis
  • Solte o botão da micropipeta lentamente para evitar formação de aerossóis e respingos da amostra dentro do equipamento
  • Use ponteiras com filtro ou ponteiras de deslocamento positivo para evitar a transferência do aerossol para a micropipeta
pipetagem contaminada
Contaminação amostra para a micropipeta

Pipetagem: Contaminação amostra – amostra

Contaminação de amostra para amostra (ou contaminação por transporte) ocorre quando o aerossol ou resíduo líquido de uma amostra é transportado para outra. Isso ocorre quando a mesma ponteira é usada várias vezes. Assim:

  • Troque sempre a ponteira após cada manipulação
  • Use ponteiras com filtro ou ponteiras de deslocamento positivo para evitar que o aerossol da amostra não passe para o corpo da micropipeta e contamine a próxima amostra
  • Se suspeitar de contaminação da micropipeta, autoclave ou limpe o equipamento de acordo com as instruções do fabricante

Como descontaminar sua micropipeta

Antes de aplicar alguma das diretrizes, verifique se o material da micropipeta é compatível com as soluções de limpeza apresentadas a seguir.

Causas de ContaminaçãoTécnicas de DescontaminaçãoDiretrizes de Limpeza
Compostos radioativosDetergente – solução de limpezaDesmonte a parte inferior da micropipeta. Mergulhe completamente as partes contaminadas* em um banho ultrassônico com detergente ou solução de limpeza recomendada para instrumentos de laboratório. É altamente recomendável enxaguar várias vezes com água. Seque bem.

Sempre verifique se a radioatividade diminuiu para um nível aceitável.
Vírus, bactérias, mycoplasma, fungosRadiação UVAs superfícies de trabalho podem ser descontaminadas por exposição a 300 nm de luz UV por 15 minutos. Observe que os raios UV não podem penetrar no interior da micropipeta e não pode ser considerado como protocolo de descontaminação para componentes.
DNA, RNA, amostras biológicasSolução de hipoclorito a 3% ou radiação UV Desmonte a parte inferior da micropipeta. Mergulhe completamente as partes contaminadas* em hipoclorito de sódio 3% por 15 minutos. Enxágue bem com água destilada e seque. A exposição à luz UV por 30-60 minutos reduzirá ainda mais a contaminação por DNA, mas não a elimina totalmente da superfície da pipeta.
Soluções aquosas e tampõesLimpeza com águaDesmonte a parte inferior da micropipeta. Lave as peças contaminadas cuidadosamente com água destilada e seque.
Ácidos / álcalis
Solventes orgânicosDetergente – solução de limpezaDesmonte a parte inferior da micropipeta. Mergulhe completamente as partes contaminadas* em um banho ultrassônico com detergente ou solução de limpeza recomendada para instrumentos de laboratório.

Lave a micropipeta várias vezes com água e seque-a bem.
Proteínas

* Consulte as Instruções de Uso para saber quais são as peças específicas para limpeza por imersão.

Autoclavagem

Algumas micropipetas podem ser totalmente autoclavadas ou apenas as peças que foram contaminadas devido ao uso inadequado.

Pipetas de deslocamento de ar e algumas ponteiras são normalmente autoclavadas a 121°C com uma pressão positiva de 1 bar (100 kPa) durante um período de 20 minutos.

  • Lembre-se: ponteiras com filtro não devem ser autoclavadas. Em vez disso, é recomendável usar produtos estéreis.

Após a autoclave, as micropipetas ou as partes autoclavadas devem secar completamente e esfriar em temperatura ambiente. Como peças plásticas aquecidas podem esticar ou danificar facilmente, as micropipetas só devem ser parafusadas novamente após esfriarem completamente.

Micropipetas


Referências: